Evento na USP debateu o uso da tecnologia Blockchain em políticas públicas

Pessoas de diferentes formações acadêmicas discutiram as implicações de políticas públicas envolvendo a tecnologia blockchain

O protocolo blockchain foi proposto em 1991, porém, ele ganhou notoriedade entre as pessoas não especializadas somente em 2008 quando foi utilizado como uma das tecnologias que sustentaram a criação da criptomoeda Bitcoin. Estamos vivendo um momento na história da tecnologia blockchain que ao mesmo tempo que diversas aplicações são propostas outras também são descartadas. É comum que certas aplicações se consolidem após o entusiasmo inicial causado pela introdução de tecnologias inovadoras. Bitcoin é um dos casos mais famosos da aplicação da blockchain, mas essa tecnologia não se limita exclusivamente à criptomoedas.

A grande inovação desta tecnologia está na possibilidade de construção de uma base de dados que seja inalterável e a prova de falsificação e, por conta disso, governos e empresas têm trabalhado em soluções para problemas distintos utilizando blockchain. A Suécia, por exemplo, possui um projeto visando a implementação de um sistema de blockchain para armazenamento de registros imobiliários, enquanto que na Estônia estuda-se implementar a tecnologia para permitir que o controle de dados médicos de pacientes possua um controle descentralizado.

Mesmo com essas novas implementações sendo estudadas e desenvolvidas, a maioria das discussões sobre essa tecnologia são sempre muito centralizadas no “como fazer” e nos benefícios imediatos de sua aplicação em diversos problemas. Porém, quando tratamos de políticas públicas e de aplicações que envolvam um país por completo é preciso realizar uma discussão mais abrangente sobre o tema.

De acordo com o professor Lucas Lago, pesquisador do CEST, “Essa tecnologia possui um potencial enorme de revolucionar diversos setores, porém, revoluções como essas possuem impactos que vão muito além dos setores diretamente afetados, e a sociedade precisa ser incluída na discussão. Por isso, precisamos trazer à mesa de discussões pessoas que estejam interessadas no assunto e com diferentes formações acadêmicas para termos um visão transdiciplinar sobre o mesmo tema”.

No dia 26 de outubro, o CEST (Centro de Estudos Sociedade e Tecnologia) organizou o I Seminário Tecnologia Blockchain para Políticas Públicas que contou não somente com especialistas na tecnologia e suas aplicações, mas também com estudiosos que contribuiram com novos olhares sobre o tema, fomentando uma discussão que irá além da “solução que busca um problema para ser aplicada”, tentando responder à pergunta: qual o benefício que a sociedade terá com essa tecnologia?

Para ver informações sobre, clique aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *